Caderno de riscos | 2012



Para marcar o quanto somos submetidos a interrupções na passagem do tempo, tracei riscos, ao longo de vários dias, utilizando-me de velhas réguas de madeira que pertenceram ao meu pai. Transferi para o papel o desgaste do uso das réguas, e as linhas mais espessas marcaram os momentos de retomada do trabalho, em seguida a cada interrupção.

  • nanquim vermelho sobre caderno de papel vergé
  • 15 x 60 cm
  • EXPOSIÇÕES: XIV Salão Municipal de Artes Plásticas de João Pessoa, Brasil

Fotografia: Pat Kilgore