Caran d’Ache | 2011



Na minha infância, os estojos de lápis Caran d’Ache eram ainda mais raros e caros do que nos dias de hoje, e eu os guardava como tesouros, ao ponto de não usá-los. Nesta obra reconstituo a frente e o verso de um estojo que nunca tive, já que o motivo floral não seria recomendado para um menino.

  • camadas sobrepostas de papel vegetal 45 g, bastão a óleo
  • 297 x 850 cm
  • EXPOSIÇÕES: “Migalhas da infância”, Marsden Woo Gallery, Londres, Inglaterra

Fotografia: Philip Sayer