Good boys go to heaven, bad boys go everywhere | 2005-16



Esta obra evoca a dificuldade que temos em respeitar as diferenças, mesmo quando vivemos momentos de extrema gravidade. A coleção de revistas que dá origem à obra pertenceu a um amigo que, diante da certeza da sua morte prematura, preocupou-se em me pedir que a retirasse da sua casa para que não fosse encontrada pelos seus pais. Sugeriu-me então que a guardasse, pois quem sabe um dia poderia usá-la no meu trabalho.

  • revistas com temática homoerótica, furador de papel Anjo
  • 200 x 300 x 15 cm
  • EXPOSIÇÕES: “Nós”, Caixa Cultural, Rio de Janeiro, Brasil

Fotografia: Rafael Adorjan