Para ver o que restou | 2011



O desenho sobre a concertina surgiu do desejo de experimentar diferentes densidades de grafite. Fruto da imaginação suas casas remetem ao universo das histórias infantis, assim como àquele das pequenas cidades de interior, com seus casarios em terra e cal.

  • concertina, grafite de diferentes densidades
  • 24 x 240 x 25 cm
  • EXPOSIÇÕES: “Migalhas da infância”, Marsden Woo Gallery, Londres, Inglaterra

Fotografia: Philip Sayer