Passagem ilegível | 2016



Nesta obra, transcrevi, repetidamente, dois relatos de Marguerite Yourcenar sobre um mesmo acontecimento: o enterramento das cinzas de Grace Frick, com quem viveu por 40 anos. O primeiro está no seu diário pessoal, um relato curto e permeado pela emoção dos primeiros momentos. O segundo foi feito em resposta a uma entrevista, no qual encontramos, no lugar da mulher, a célebre romancista.

Os dois relatos são igualmente bonitos e comoventes, sendo o segundo uma pequena peça literária. A sobreposição da escrita na minha obra tem origem na dúvida de Yourcenar em tornar pública ou não esta parte da entrevista, assim como, nas passagens ilegíveis do seu diário íntimo.

  • escrita em fita impressora para máquina de escrever sobre papel vegetal
  • 32 x 57 cm (díptico)
  • EXPOSIÇÕES: “Aquilo que nos une”, Caixa Cultural, Rio de Janeiro, Brasil

Fotografia: Renato Bezerra de Mello