Pouco a pouco, se fazendo, se rasurando e se reescrevendo | 2015



Encoberto por grafite artesanal, este caderno marca o início de uma pesquisa com o material e um acervo sobre a prostituição. As folhas em branco do caderno me levaram a procurar outros suportes, cujo conteúdo possibilitasse tratar da fragilidade da memória, como tensão entre a lembrança e o esquecimento.

  • caderno em papel Vergé, costura manual e corte medieval, documentos antigos, grafite artesanal
  • 15 x 31 x 2 cm

Fotografia: Pat Kilgore